Eternizar o buquê com a técnica de Oshibana

Buquê 1
Buquê 1
Buquê 2
Buquê 2
Buquê 3
Buquê 3
Buquê 4
Buquê 4
Buquê 5
Buquê 5
Buquê 6
Buquê 6
Buquê 7
Buquê 7
Buquê 8
Buquê 8
Buquê 9
Buquê 9
Buquê 10
Buquê 10

A história dos buquês iniciou-se na Grécia antiga. Na Idade Média, as noivas caminhavam até a igreja e no percurso recebiam ramos, flores, ervas e
temperos que traziam boa sorte e felicidade.
Ao final do trajeto ela tinha um buquê nas mãos.

Elas confeccionavam dois arranjos, um era abençoado por um sacerdote e preservado numa redoma de vidro que era exposto em casa. O outro era arremessado para as mulheres solteiras da festa, quem o recebia seria a próxima a se casar. Esse ritual é realizado até hoje nas cerimônias.

Ao preservar os buquês de forma tradicional, eles duravam, no máximo, 2 ou 3 semanas. Na técnica oshibana, ele é desidratado e depois remontado na moldura no layout original da peça. Após a montagem da obra, a moldura é fechada a vácuo, preservando assim por muito tempo as cores originais das flores e folhas.
Esse é o processo ideal para “eternizar o buquê de noiva”, tornando-se uma recordação duradora.